Mensagem do Coordenador da USF Villa Longa

Mudança de Instalações

Nas ruas de Vialonga existe um mural de 2015 que diz "Vialonga precisa centro de saúde novo, maior e melhor". Somos uma das freguesias mais jovens e populosas do concelho de Vila Franca de Xira, em franco crescimento e precisa de uma Unidade de Saúde, que seja pensada para o futuro. Relembro que temos, na nossa Unidade de Saúde Familiar (USF) Villa Longa, mais de 20.000 utentes inscritos, com médico de família.

Todos tínhamos as expectativas que com a nova Unidade de Saúde, tudo iria ser diferente.

Mudámos de instalações. A ordem de mudança, para as instalações remodeladas, dada aos profissionais desta USF, por indicação superior, foi repentina e com reservas dos profissionais de saúde, por considerarem que não estavam ainda reunidas as condições adequadas para utentes e profissionais. A mudança demorou mais tempo do que o previsto inicialmente, ou o que seria expectável pelos profissionais, pois tivemos de transportar a maior parte dos recursos materiais das antigas instalações, alguns com mais de 20 anos. Estivemos 3 dias encerrados e abrimos portas no dia 11 de junho de 2021. Estamos numa unidade ainda a aguardar material novo, que está a chegar paulatinamente, através da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), para que possa apetrechar e tornar funcionais, todos os gabinetes e espaços destas instalações.

O edifício tem limitações arquitetónicas, alguns exemplos práticos, todos os espaços de circulação da USF são comuns (profissionais e utentes), a circulação de lixos e contaminados, fazem-se pelos mesmos corredores e salas de espera dos utentes. As salas de espera são reduzidas para as necessidades e frequência com que os nossos utentes utilizam as instalações. Situações sinalizadas por nós, mas que as limitações arquitetónicas são incontornáveis.

Diariamente, deparamo-nos com situações típicas pós obra, canos que vertem, fechaduras que não funcionam, infiltrações promovidas pelo ar condicionado, luzes que não ligam, computadores/impressoras que deixam de funcionar por falha da rede/erro informático, tudo situações que estão a ser agilizadas, dentro das nossas capacidades, à medida que vão aparecendo.

Do que depender dos profissionais de saúde da USF Villa Longa e do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Estuário do Tejo, tudo faremos para tornar este edifício remodelado para Unidade de Saúde, o mais funcional e acolhedor possível, para utentes e profissionais.

Ritmo da Pandemia

A 18 de junho de 2021 tivemos 1.298 novos casos de COVID-19 em Portugal, dos quais 862 foram da região de Lisboa. Como podemos ver na imagem anexa, a região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) tem um índice de transmissibilidade (Rt) no vermelho, com o desconfinamento em risco de paralisação e com limitações de circulação para entrada e saída do concelho, já se falando em cerca sanitária, se for necessário.

Quando estávamos preparados para iniciar atividade presencial para consultas de enfermagem e médicas, por iniciativa do utente, sem que previamente houvesse um contacto telefónico para aferir sinais e sintomas de alarme de apresentar COVID-19, vemo-nos forçados a manter a conjuntura atual.

Assim sendo, mantemos o contacto telefónico pelo médico, antes da marcação da consulta presencial. Este é um fator de descontentamento dos utentes e também dos profissionais, pois torna todo o processo de consulta mais penoso para todos. Este facto acontece, pois somos obrigados a manter a USF Villa Longa, como um espaço livre de COVID-19. Relembro que os casos suspeitos e confirmados para o vírus SARS-CoV-2, são obrigatoriamente avaliados na área dedicada aos doentes respiratórios (ADR), mais conhecido por "Covidário", localizado no Centro de Saúde de Alverca.

Atividades dos profissionais da USF

Mantemos as nossas 5 frentes de trabalho:

  1. Prestação de serviço na regular atividade assistencial da USF Villa Longa;
  2. Atendimento Complementar (AC) no Centro de Saúde da Póvoa de Santa Iria;
  3. Seguimento dos doentes com COVID-19 (plataforma TRACE COVID-19);
  4. ADR no Centro de Saúde de Alverca;
  5. Centro de Vacinação contra a COVID-19 do concelho, em Vila Franca de Xira.

Aguardamos, ansiosamente pelo dia, em que os pontos 3, 4 e 5 deixam de ter razão para existir.

Esta dispersão de recursos humanos pelos diferentes locais, está a esgotar os utentes, que têm cada vez menos tolerância, ao verem as suas solicitações nos cuidados de saúde primários sujeitas a demora, sendo este um facto e não uma crítica da minha parte, e os profissionais muito insatisfeitos, pois a "luta" contra a COVID-19 ainda não terminou, no entanto, o que mais queremos, e lutamos diariamente para isso, é que a nossa atividade assistencial como médicos de família, volte à "normalidade", sem estarmos em permanente alteração do local de trabalho, sem estarmos em permanente alteração de procedimentos de acordo com o ritmo da pandemia e zelarmos, isso sim, dedicarmo-nos sem restrições, aos nossos utentes e suas necessidades em saúde.


Vialonga, 20 de junho de 2021